14/05/2020

VEJA COMO SE DEU A EVOLUÇÃO DA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL


Compartilhe:

Afinal, o que é automação industrial?

A automação industrial trata-se da implementação de inovações na produção e na manutenção de equipamentos. Essas novas tecnologias englobam desde maquinários modernos ou providos de elementos como sensores até softwares que efetuam e controlam as tarefas do processo produtivo.

O termo não deve ser confundido com mecanização, que nada mais é que a utilização de máquinas para substituir o esforço físico e manual, mas sem assumir o controle do processo.

Portanto, a mecanização ou automatização demanda algum nível de interferência humana, principalmente para realizar correções. Por sua vez, na automação industrial, os mecanismos são autorreguláveis, ou seja, operam e fazem correções sem a necessidade da intervenção humana.

Como foi sua evolução até aqui?

Mesmo antes da automação industrial, o homem sempre tentou otimizar suas atividades, visando poupar esforços e ter resultados melhores. Um exemplo clássico são os moinhos movidos a vento e rodas d’água.

Logo, tais tentativas são constantes e continuam existindo, principalmente em produções de larga escala. Até chegar no estágio atual, a chamada indústria 4.0, o setor industrial passou por grandes e importantes transformações. A seguir, conheça melhor cada uma delas.

1ª Revolução Industrial

Iniciada na Inglaterra na segunda metade do século XVIII, entre 1760 e 1840, logo se espalhou pelo restante de Europa Ocidental e Estados Unidos. Seu marco principal foi a mecanização dos processos, também a utilização de carvão como nova fonte de energia para o funcionamento do maquinário e dos novos sistemas de transporte, como locomotivas.

Do mesmo modo, o uso do carvão impulsionou a produção de aço que, por sua vez, proporcionou o crescimento da construção civil e o aumento dos centros industriais.

2ª Revolução Industrial

Com o surgimento da eletricidade e do uso do petróleo como novas fontes de energia, a partir de 1870, iniciou-se outra revolução no setor. A energia elétrica possibilitou a produção em massa, bem como ajudou na invenção do telefone e rádio.

Os automóveis passaram a tomar conta dos centros urbanos, bem como os caminhões, fazendo com que a malha viária se expandisse. Além dos navios, também houve a invenção dos aviões para o transporte de cargas.

3ª Revolução Industrial

Ocorrida entre 1950 e 2010, a Terceira Revolução foi marcada pela substituição da mecânica analógica pela digital, pela invenção da robótica, de microcomputadores e da internet. Consequentemente, as empresas passaram a digitalizar suas atividades. Com relação às fontes de energia, nessa época houve o início do uso da energia nuclear, eólica e solar.

Novos métodos de agricultura também foram criados, permitindo o aumento da produtividade e da qualidade dos produtos do setor. Ainda, houve um grande desenvolvimento da engenharia genética e da biotecnologia.

4ª Revolução Industrial

Iniciada em 2011, a 4ª Revolução Industrial é a que vivemos atualmente. Sua principal característica é a interconexão de todas as etapas da produção. Isso ocorre devido à digitalização das informações e à utilização de dados para tornar o processo ainda mais eficiente.

Algumas das tecnologias utilizadas são a Inteligência Artificial, armazenamento em nuvem, softwares específicos para todas as áreas de gestão, robótica, Internet das Coisas, realidade aumentada, entre outras.

Com isso, há a redução de falhas, aumento da lucratividade e da sustentabilidade na indústria. Aliás, as fontes de energia não-renováveis estão dando espaço a fontes alternativas, como geotermal, solar e eólica.

Como o Brasil está se comportando no atual cenário?

Se comparado a outros países, o Brasil ainda pode ser considerado atrasado quando o assunto é tecnologia. No entanto, entre 2016 e 2018 houve um crescimento significativo no percentual das indústrias que passaram a implementar os conceitos e adotar as tecnologias da indústria 4.0 — saltou de 63% para 73%. Outro dado importante é que 48% das empresas já utilizam pelo menos um tipo de tecnologia digital.

Essa é uma notícia relativamente otimista, pois demonstra que a indústria brasileira pretende aumentar gradativamente o investimento em novas tecnologias para ganhar competitividade no mercado global. Porém, é preciso acelerar esse processo, visto que o Brasil fica entre os últimos lugares em ranking de automação de empresas, ocupando o 39º lugar entre os 44 que mais utilizam a robótica.

O 1º lugar é ocupado pela Coreia do Sul, com mais de 600 robôs para cada 10 mil trabalhadores, seguida por Singapura (488) e Alemanha (309), enquanto no Brasil há apenas 10 robôs para cada 10 mil trabalhadores.

Qual a solução para o Brasil?

Diante da importância e dos benefícios gerados pelo uso de tecnologias na produção, bem como da urgência em subir no ranking citado anteriormente, tem crescido o número de empresas especializadas em oferecer soluções para a automação industrial. As organizações que não aderirem ao uso das inovações certamente se tornarão obsoletas e perderão espaço no mercado.

Por isso, é fundamental contar com os serviços de empresas experientes, como a Therba, que atua no mercado industrial desde 1970. Ou seja, surgiu na metade da 3ª Revolução Industrial e acompanha a 4ª desde o seu início. Desse modo, foi uma das precursoras da automação industrial no Brasil, oferecendo o que há de melhor em distribuição elétrica, controle e demais tecnologias de automação.

Por se manter constantemente atualizada com as inovações do mercado, consegue fornecer produtos de alto padrão de qualidade e serviços de excelência para ajudar o setor a conquistar lugares melhores no cenário global.

Ao conhecer a evolução da automação industrial, você pode perceber que seu crescimento é constante e cada vez mais veloz. Logo, é fundamental investir em soluções tecnológicas para otimizar os processos e, assim, obter melhores resultados e conquistar um espaço de destaque frente aos concorrentes.