25/02/2021

SAIBA COMO ALAVANCAR A PRODUÇÃO INDUSTRIAL COM ESTAS 8 DICAS


Compartilhe:

A importância da produtividade industrial

É difícil pensar em produtividade industrial e não se lembrar da Ford, que popularizou os veículos, da Toyota, que revolucionou o conceito e os métodos, e de que, assim como ocorreu na época da Revolução Industrial, estamos em um momento de transição para a Indústria 4.0.

Basicamente, estamos mudando a forma como usamos dados e desenvolvemos produtos e processos. Para fazer isso, contamos com Inteligência Artificial e vários outros recursos tecnológicos, que involuntariamente geram pressão para que as empresas se adaptem.

As consequências de uma baixa produtividade

É por isso que podemos dizer que a consequência negativa mais indesejável de não se dedicar à produtividade é o comprometimento do negócio, que pode se tornar obsoleto ao não acompanhar o inevitável crescimento da produtividade em razão das novas tecnologias. Outros efeitos estão listados abaixo.

Redução do lucro

A produtividade é um dos fatores mais importantes para a manutenção do lucro. Em um mercado com pouca tolerância ao aumento de preço nos produtos, a baixa produtividade faz pressão na lucratividade.

Como os custos fixos não variam de acordo com a quantidade produzida, com a baixa produtividade eles precisam ser diluídos em um número menor de produtos, o que os encarece. E, mesmo que você consiga elevar os preços para cobrir sua margem, essa medida terá algum efeito na quantidade vendida, ocasionando o mesmo problema — ainda que em um percentual diferente.

Falta de competitividade

Outro ponto é a competitividade. Com a queda na produção e a diminuição da lucratividade, a indústria perde a sua capacidade de enfrentar a concorrência, o que diminui as vendas e piora o problema.

As dicas principais para alavancar a produção industrial

Agora que refletimos sobre a importância de produtividade e as consequências dela, podemos partir para as dicas que separamos para você. Elas terão prioridades diferentes de acordo com o seu segmento de atuação e outras particularidades. Por isso, procure avaliar cada tópico abaixo imaginando como ele se aplicaria na sua indústria.

1. Revisão de processos

Rever os seus processos de produção com o objetivo de encontrar gargalos e focos de problemas, fatalmente melhora a produtividade. Talvez, você já tenha desenhado o seu fluxo de processos do modo mais otimizado possível, mas a situação muda porque equipamentos mais modernos e eficientes são lançados, por exemplo.

Em razão disso, é preciso acompanhar as mudanças e incorporá-las. Além disso, a revisão também ajuda a identificar vícios. Depois de algum tempo executando uma tarefa exatamente como orientado no treinamento, a tendência é a de que o responsável pense em formas novas e as adote, tanto para melhorar o processo, quanto para agir como estava acostumado.

Em outras palavras, a não ser que o seu processo produtivo seja automatizado, ele sofrerá mudanças pela ação humana e precisará ser revisto. Para rever seus processos, pode ser indicada a participação de consultores, uma vez que eles observam o fluxo de produção com uma visão de quem olha de fora.

2. Informação sobre os processos

Além de opiniões diferentes sobre os processos, a qualidade da informação que você usa para avaliar desempenho, produtividade e identificar falhas também é determinante. Sem um bom modelo de levantamento e um software que ajude na coleta e armazenamento de dados fica muito mais difícil obter informação de qualidade.

Para avaliar a eficiência do seu monitoramento e controle, parta das informações que você gostaria de consultar e não têm disponíveis. Considere também o tempo que precisa para obter os relatórios que consulta — o ideal é uma disponibilidade em tempo real — e a forma de apresentação.

Afinal, não adianta ter acesso a tudo o que você precisa, no momento que você necessita, mas de um modo confuso, difícil de traduzir para o uso prático.

3. Capacitação da equipe

Outro aspecto que os economistas concordam é com relação ao nível de capacitação e qualificação dos profissionais brasileiros. Obviamente, existem ótimos colaboradores, que se desenvolveram independentemente do que a média dos trabalhadores reflete. Ainda assim, é provável que existam carências e elas devem ser resolvidas para garantir a produtividade.

Além disso, mesmo que essa deficiência de qualificação não seja significativa no seu segmento, um bom programa de capacitação não está dispensado. Quanto mais eficiente ele for em relação ao objetivo de complementar e agregar conhecimento, melhor será o desempenho de todos.

4. Gestão de fornecedores

Faz muito tempo que os fornecedores deixaram de ser meros vendedores de insumos, equipamentos e matéria-prima. Atualmente, eles funcionam como elos na cadeia produtiva e podem contribuir ou prejudicar a sua produção com atrasos nas entregas, falta de itens e produtos de baixa qualidade.

A gestão de fornecedores busca resolver esse problema com práticas que garantam a formação de uma boa rede de parceiros qualificados e comprometidos com os seus resultados. Do mesmo modo, o relacionamento com essas empresas deve ser trabalhado continuamente.

Os seus fornecedores precisam receber feedbacks com indicadores precisos sobre quais procedimentos deles estão prejudicando a sua produtividade, bem como negociar um plano para resolver o problema. Ele também tem interesse nessa melhora, pois vai vender mais se a sua indústria produzir mais.

Sua produção parada pela falta de um componente, por exemplo, é um fator desastroso para a produtividade.

5. Manutenção de equipamentos

Equipamentos com problemas geram paradas imprevistas na operação, causando o mesmo efeito da falta de um item necessário à produção. Por isso, um bom programa de manutenção de máquinas é outra variável de influencia na sua produtividade.

Sem um programa de manutenção preventiva, os riscos de quebra e interrupção aumentam a cada dia. Além disso, eventuais problemas podem ser resolvidos com soluções improvisadas, o que pode tornar o equipamento mais lento e favorecer novas quebras.

6. Metodologias eficientes

Algumas metodologias aplicadas à produção podem fazer muita diferença no desempenho geral. Elas ajudam a levantar os problemas, no treinamento da equipe e o desenvolvimento de soluções, por exemplo. Algumas dessas metodologias são bastante conhecidas e você provavelmente já as empregue no seu negócio. Veja:

  • a Seis Sigma: desenvolvida pela Motorola para melhorar os processos e evitar defeitos de fabricação;
  • o método Kaizen: elaborado para aplicar práticas que garantam a melhoria contínua dos processos;
  • e o Kanban: que ajuda a controlar o fluxo dos itens usados na produção, agilizando o processo.

Podemos dizer que o Kanban tende a oferecer um retorno de produtividade maior que o Kaizen a o Seis Sigma, em razão dos objetivos de cada um. Contudo, isso vai depender de cada caso.

Sendo assim, busque identificar os fatores que mais influenciam na sua produtividade atualmente e, posteriormente, procure uma metodologia que ajude a resolvê-lo.

7. Gestão da inovação

Inovar não é, necessariamente, promover uma grande revolução no negócio, tão pouco desenvolver um novo produto que, antes de ser plenamente aceito pelo mercado, é apenas uma invenção.

O fato é que, quando uma empresa trabalha com gestão da inovação, ela desenvolve um conjunto de práticas e uma cultura de mudança. No entanto, as inovações podem ocorrer em vários setores, como o de marketing, o de atendimento e na produção.

Desse ponto de vista, que é reforçado pelas teorias de gestão da inovação, a transformação busca aplicar formas melhores de executar as mesmas tarefas e estratégias com o objetivo de gerar um valor superior para os clientes. Por tudo isso, a produtividade é beneficiada por uma cultura organizacional que atue em prol da inovação.

8. Automação industrial

Se existe uma ação que melhora a produtividade em qualquer hipótese é a automação. A forma como ela é implantada faz enorme diferença, mas mesmo que o processo de adoção não corra como esperado, a produtividade melhorará em algum percentual.

Produções totalmente automatizadas é a tendência da Revolução 4.0 em alguns setores e é preciso se estruturar desde já com as tecnologias disponíveis. Sensores instalados nos equipamentos podem monitorar o desempenho e, por exemplo, identificar aquecimento anormal de um componente, sugerindo uma intervenção de manutenção para evitar um problema maior.

A própria produtividade pode ser monitorada de modo automático, bem como a comunicação com os fornecedores, levantamentos de previsão de demanda e organização administrativa e de produção. Tudo isso influencia na sua produtividade.

Mais diretamente no setor de produção, você pode conseguir uma melhora significativa da produtividade com soluções simples, se bem planejadas. Para isso, é importante poder contar com especialistas e equipamentos de qualidade.

Agora que concluímos nosso texto sobre produção industrial, podemos finalizar com a lembrança de que a melhora da produtividade é um processo contínuo e ininterrupto de busca de conhecimento, levantamento de informações e correção de problemas. A concorrência também vai se dedicar a produzir mais e precisamos manter um ritmo melhor para garantir a competitividade.